Revendedor autorizado


Aplicação RPA – Robotic Process Automation em CSC´s

Como a aplicação RPA – Robotic Process Automation pode ser a saída para maior produtividade nos CSC´s

Após vivenciar as inúmeras turbulências das instabilidades econômicas dos últimos anos, as empresas procuram com urgência, resgatar a competitividade, buscar performance com redução de custos e melhorar a eficiência operacional.

Mais do que um mantra, estas necessidades precisam sair da teoria para uma prática efetiva.

Entram em cena as CSC´s – Central de Serviços Compartilhados  ou SSC´s – Shared Services Centers, que têm sido uma tendência em empresas que buscam racionalizar os processos mediante a prestação dos serviços internos, trazendo mais competitividade e eficiência na gestão de custos.

Tipicamente multidisciplinar, as CSC´s – Central de Serviços Compartilhados estão estruturadas nos processos e não nas funções. Isso permite concentrar em uma única unidade operacional, atividades gerenciais entre elas: Compras, Financeiro-Administrativo, Jurídico, Recursos Humanos, TI e Marketing.

Para que esta nova solução estrutural tenha sucesso, os recursos tecnológicos são imprescindíveis e o RPA – Robotic Process Automation vêm ganhando protagonismo por ser a melhor alternativa.

Destacamos 05 motivos que evidenciam a viabilidade para adoção desta tecnologia nas CSC´s – Central de Serviços Compartilhados:

1. Aumenta a eficiência operacional dos CSC´s com atividade contínua (24×7) 

Diretamente ligada a gestão de custos (tangíveis e intangíveis), a eficiência operacional tem grande impacto no aumento da produtividade e consequentemente competitividade da empresa. Ela é inerente a todas as áreas funcionais e pode ser identificada mediante o mapeamento de processos e a análise de KPI´s.

Uma vez que os processos estão mapeados e as atividades localizadas, têm como característica a rotina e a repetição, este processo é facilmente elegível para uma otimização robótica.

Para facilitar a analogia, vamos para uma situação concreta onde distintos robôs físicos realizam tarefas em uma linha de montagem de um carro, por exemplo, repetindo continuamente a atividade ao longo da produção.

O mesmo pode acontecer com a aplicação de uma tecnologia RPA onde o robô, neste caso sistêmico, realiza em ambiente virtual esta mesma “linha de montagem” rotineira, escalando a produtividade de forma exponencial.

2. Padroniza processos, reduz erros, custos e viabiliza uma operação enxuta para o CSC

Baseada na gestão de desempenho, ganho de qualidade, melhoria da visibilidade das informações, maior padronização e aumento da escala produtiva, as CSC´s – Centrais de Serviços Compartilhados têm como objetivo, melhorar os níveis de serviço garantindo SLA´s para que a empresa tenha mais produtividade com menor custo, resultado em ganhos efetivos do ponto de vista financeiro.

Só é possível atender tantas premissas com o apoio da tecnologia, e o RPA é o recurso ideal para assegurar o sucesso desta operação centralizada, pois melhora em pelo menos 200% o aumento da velocidade nas atividades, reduz drasticamente as horas de set up e treinamento da equipe, reduz os custos de mão de obra em até 70%, com aumento de consistência, segurança e acuracidade dos dados.

3. Aumenta a velocidade, qualidade e um novo conjunto de funcionalidades e serviços fornecidos pela CSC

A Central de Serviços Compartilhados deve ser um facilitador estratégico, onde as atividades de retaguarda contribuem para o crescimento da empresa, que por sua vez pode dedicar-se a entregar mais valor aos clientes e buscar um reposicionamento no mercado ganhando mais competitividade.

Um caminho evolutivo natural para as Centrais de Serviços Compartilhados é tornar-se uma centro de excelência fornecendo mais funcionalidades e serviços para seus clientes internos, trabalhando de forma consultiva capaz de apoiar a empresa com tomada de decisões estratégicas.

A implementação de tecnologia RPA estabelece as bases que darão sustentação para apoiar a estratégia de longo prazo bem como acompanhar estas diferentes necessidades que irão surgir, mediante o mapeamento e evolução dos processos que demandam automatização de acordo com as características:

  • Projetos Simples: baseado em regras e com entradas digitais
  • Projetos Médios: baseado em regras complexas e com entradas digitais padronizadas e
  • Projetos Complexos: baseado em cognição e com entradas não estruturadas.
 4. Integração com sistemas legados:

A medida que a empresa avança na adoção de diferentes sistemas legados e recursos para fazer a gestão de seus processos, novas ferramentas são adotadas compondo o seu inventário tecnológico, que por sua vez sofre inúmeros efeitos entre eles a obsolescência, a falta de conexão com outros sistemas existentes e a enorme dificuldade de realizar alterações por ter uma característica monolítica e com pouca flexibilidade para upgrades.

A premissa de um sistema RPA é realizar exatamente as atividades que um ser humano desenvolve. Por isso, em um processo de rotina onde o profissional faz consultas e lançamentos de informações em vários sistemas diferentes, por exemplo, esta atividade pode ser perfeitamente realizada por um robô, de forma rápida, segura, com zero margem de erro e inúmeros outros benefícios que a solução RPA pode oferecer.

5. Independe do apoio da área de TI para a implantação:

Dentre os inúmeros desafios que a área de TI enfrenta, tais como cuidar da segurança cibernética da empresa, fazer a gestão do big data e gerenciar a classificação, organização e utilização destes dados, bem como atender com celeridade as demandas que rapidamente se alteram em virtude das mudanças de mercado, a área de TI vivencia a sufocante angústia do back log, com sua infinita lista de atividades inviabilizando a inserção de novas solicitações.

A tecnologia RPA não requer a intervenção da área de TI pois não é invasiva.

Mais do que uma tecnologia emergente, o RPA reorganiza o futuro da empresa posicionando-a em um patamar de inovação e competitividade muito mais significativo do que as que não adotam este recurso. Sua empresa vai ficar fora deste movimento?

Mauro Fiore é CTO da LVR Robotic, empresa de software e consultoria especializada na prestação de serviços e soluções em RPA.

Uma organização dinâmica e inovadora, a LVR Robotic utiliza tecnologia proprietária de soluções em RPA, bem como plataformas disponíveis através do nosso parceiro UiPath para implantação de projetos. 

A equipe LVR Robotic é formada por profissionais que possuem vasta experiência no desenvolvimento de projetos RPA, construída ao longo de mais de 15 anos.

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *